Sobre

S

Nascido e criado em Florianópolis, Santa Catarina, sou o famoso “manezinho da ilha”. Desde criança eu tinha ideias de negócios. Por volta dos 9 anos, como toda criança, adorava doces. Então descobri perto do trabalho do meu pai uma loja que vendia doces em atacado e rapidamente tive um insight: abrir uma barraquinha de doces na avenida perto da minha casa.

Para mim era simples: Se eu comprasse uma caixa com 100 bubbaloos por R$10,00, e vendesse cada um por R$0,20, eu teria um lucro de 50% (0,10 centavos) sobre cada bubbaloo.  Talvez por falta de incentivo eu não tenha levado essa ideia adiante. E hoje penso: Será que se eu tivesse levado à frente eu seria hoje um grande fabricante de doces? Talvez sim, talvez não.

Isso também me remete a situação em que Steve Jobs, tentando persuadir John Sculley, presidente da Pepsi na década de 80, fala: “Você quer vender água com açúcar pelo resto da vida ou quer mudar o mundo?”

Se eu tivese levado minha ideia a diante, será que hoje eu estaria vendendo açúcar ou mudando o mundo?

Enfim, alguns anos depois, quando eu tinha por volta de 11 anos, convoquei meu irmão e meus amigos para juntarmos todos os gibis que possuíamos e sair vendendo na vizinhança. Na primeira casa que batemos conseguimos vender um gibi velho (talvez pela bondade do vizinho que viu um bando de crianças tentando vender gibis), que custava R$2,50, por R$10,00 e nossos olhos brilharam

Por falta de fregueses nosso negócio não foi muito adiante e “quebrou” depois de alguns dias.
A partir disso, o tempo foi passando e a hereditariedade social foi me colocando dentro da caixa, dentro da forma, dentro do padrão, com bombardeios de informações a respeito do que seria o caminho “correto” para seguir na vida.

A vida foi seguindo e aos 17 anos decidi entrar em uma academia e fazer musculação. A partir dali minha vida começou a mudar, pelos valores que adquiri dentro do esporte. Eu fui determinado a realizar 3 treinos por semana mas quando coloquei o pé para fora da academia eu tive a certeza que queria fazer aquilo para o resto da vida.

Me apaixonei pela musculação e isso se tornou meu estilo de vida. Eu comecei a levar uma vida de um verdadeiro fisiculturista (saiba que um fisiculturista precisa ser um completo xiita na maioria das vezes), com uma rotina de alimentação, treinamentos e descanso extremamente regrada.

Meu irmão falava que “eu não comia, eu completava calorias”.

Tudo isso me trouxe uma extrema disciplina, um foco avassalador, uma persistência incansável e uma certeza de realização inabalável. Meu mindset empreendedor e vitorioso foi todo formado através da musculação, e hoje, anos depois, eu consigo perceber este fato.

Já com o foco na musculação (eu havia encontrado um propósito de vida) minhas ideias de negócios iam ficando de lado. Somando o foco em outro propósito com todas as crenças limitantes que todos nós vamos recebendo de “brinde” ao longo da vida, o empreendedorismo ficou de lado.

Mas minha mente empreendedora ainda tentava agigantar-se diante as crenças limitantes impostas em meu cérebro. Por volta dos 20 anos, tive a ideia de montar uma concorrente da rede de fast-food Subway, a “Raffa’z Food” ou “Raffa’s Food”, eu fiquei de decidir o nome (hehehe).

Porém, ideias sem planejamento e ação são apenas ideias…

Foi então que me tornei mais uma pessoa comum, levando uma vida comum, seguindo o “fluxo” ditado pela hereditariedade social (a herança psicológica que herdamos da sociedade de geração para geração).

Eu caminhava pra ter uma vida na média, fazia faculdade de Educação Física (faculdade essa que escolhi puramente pela fissura pela musculação e também por que “devemos fazer uma faculdade para ser alguém na vida”, não é mesmo?), era estagiário na academia da própria universidade (UDESC) e ganhava R$360,00 por mês nesse estágio.

Nessa época eu já não tinha mais grandes ambições na vida, eu achava que a vida era isso mesmo, eu achava que pessoas que se deram bem na vida tinham sorte (e nós somos constantemente bombardeados com informações que nos induzem a pensar dessa maneira).

Depois de um tempo e cursando a terceira fase universitária eu me desiludi com a faculdade e resolvi largar o curso (criando uma briga com minha família), por não satisfazer minhas expectativas.

Saindo da faculdade eu precisava trabalhar pra me sustentar e arranjei um emprego de atendente em uma cafeteria perto da minha casa. O salário? R$708,00 por mês + vale transporte + R$100 em consumo na própria cafeteria (que mal dava para os lanches do mês).

Só que por algum motivo havia alguma coisa dentro de mim que fazia eu querer mais da vida, muito inquieto eu sempre achei que podia obter mais do mundo. A veia empreendedora pulsava adormecida dentro de mim (todos temos esse poder “adormecido” dentro de nós mesmos). Eu sabia que eu queria mais.

Foi então que um livro abriu minha mente e mostrou definitivamente para mim qual era o jeito certo de trabalhar (comprando o tempo e não mais vendendo-o, empreendendo) e qual era a mentalidade correta pro sucesso (modelo mental de pessoas milionárias/bilionárias).

Comecei a pesquisar na internet formas para empreender com pouco dinheiro (afinal isso era o que eu menos tinha disponível) e cheguei a cogitar abrir uma pequena franquia mas felizmente encontrei o marketing digital antes disso.

O ano era 2012 e eu lembro bem, do primeiro curso que comprei, pelo valor de R$67,00. Um curso que também abriu minha mente, me mostrou vários conceitos de “trabalho pela internet” e me possibilitou abrir meu primeiro “negócio”, uma página na internet onde eu vendia um e-book (livro digital).

Em cerca de 6 meses eu fiz 9 vendas deste produto e consegui um lucro de pouco mais de R$700,00. Para alguns, pode parecer pouco, mas para mim um grande feito (visto que eu apenas criei o produto, a página e “joguei” na web sem fazer qualquer ação de marketing para promover essa página).

Só que, além disso, e acima de tudo, eu tive a visão da oportunidade exposta frente aos meus olhos (vender pro Brasil inteiro, de modo automático, um produto totalmente digital, que não ocupa espaço físico).

De lá pra cá muitas coisas mudaram na internet, as redes sociais explodiram, o MSN acabou e o Google mudou bastante suas regras acabando com centenas de negócios da noite para o dia, mas eu continuei firme com meus objetivos e meu sonho de crescimento, pessoal e profissional.

Nesse período e com a expansão dos meus negócios, eu fiz centenas de cursos, dos mais baratos aos mais caros, li dezenas de livros, fui a dezenas de eventos presenciais e posso dizer que me sinto um privilegiado por sair do “zero” e chegar na posição que estou hoje, mesmo com apenas 25 anos de idade.

Quando alguém me pergunta em que eu sou formado eu respondo: “Na faculdade prática da vida”. Para mim essa é a melhor faculdade existente no mundo. Busco sempre a excelência, o constante aprimoramento e a eterna evolução em tudo que faço na vida.

Nessa trajetória pude conhecer legítimos falsos “gurus” e grandes gurus legítimos. Conheci pessoas que só queriam ganhar meu dinheiro e pessoas que queriam realmente transformar vidas.

É por isso que eu luto hoje, fazer com que as pessoas enxerguem um novo horizonte e uma nova perspectiva de vida, fazer com que as pessoas sonhem grande e saiam do fluxo, fazer com que as pessoas pensem fora da caixa, fazer com que as pessoas despertem o gigante interior adormecido que existe dentro de cada ser humano.

A vida é muito mais do que aquilo que nos é ensinado desde que nascemos. Nós somos capazes de realizar qualquer coisa nesse mundo. Aliás, o mundo não é como achamos que é, o mundo é aquilo que o nosso cérebro interpreta.

Sendo assim, podemos criar o nosso próprio mundo. Podemos mudar a nossa realidade e a realidade das pessoas que nos cercam. Podemos ser tudo aquilo que sempre sonhamos. Basta tomarmos uma decisão.

Cultivo hábitos de sucesso, prezo por uma alimentação saudável, faço exercícios físicos de 4 a 6 vezes por semana regularmente há 8 anos, entre treinos de musculação e corrida.

Eu não assisto mais TV, eu leio livros.

Se você quer conversar mais comigo, me envie uma mensagem através do formulário de contato.

Será um prazer.

Um grande abraço!